Menu topo

O Operador Nacional do Sistema [ONS] espera uma redução da carga principalmente no horário de pico

O horário de verão, que começa a zero hora do dia 21, irá gerar uma economia maior neste ano do que em 2011. Serão R$ 280 milhões, ante os R$ 130 milhões registrados no ano anterior. O Operador Nacional do Sistema [ONS] espera uma redução da carga principalmente no horário de pico, de maior consumo, que, atualmente, está sendo abastecido com o reforço de usinas térmicas a gás além do volume tradicional. O horário de verão vai até 17 de fevereiro de 2013.

Se por um lado, o horário de verão significa economia na conta de luz, ao longo do ano o bolso do consumidor vem sendo onerado pela energia térmica que consome, mais cara do que a hidrelétrica. A previsão do ONS é que serão gastos com a geração térmica no País, neste ano, mais do que o R$ 1,4 bilhão de 2011. Desta vez, além de acionar um número maior de térmicas a gás por mais vezes, para compensar a queda da produção hidrelétrica em um período de seca, o preço da energia térmica também está mais caro. E a situação dos reservatórios piorou nos últimos 15 dias, informou o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp. O cenário é mais crítico na região Nordeste, onde o nível do reservatório está em 38,1%, próximo ao limite de 33%.

Sobre o Autor:

Estudou em escola pública de Barreiras, Escola Municipal Alferes Cassiano Martins [Macau] e na Escola Estadual winston churchill [Natal], formado em Ciências Econômicas e pós-graduado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, funcionário público.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Fechar