Menu topo

image

Dilma Rousseff [PT], Marina Silva [PSB] e Aécio Neves [PSDB] buscaram uns aos outros nas perguntas e também foram os principais alvos dos questionamentos dos demais rivais durante o quarto debate entre candidatos a presidente da campanha eleitoral deste ano, organizado na noite deste domingo [28] pela TV Record.

O debate durou cerca de duas horas e reuniu sete presidenciáveis: Dilma Rousseff [PT[, Marina Silva [PSB], Aécio Neves [PSDB], Pastor Everaldo [PSC], Luciana Genro [PSOL], Eduardo Jorge [PV] e Levy Fidelix [PRTB]. Foi dividido em quatro blocos, dois dos quais com perguntas entre os próprios candidatos, um com perguntas de jornalistas e outro destinado às considerações.

Os dois candidatos nanicos mais badalados nas redes sociais, Eduardo Jorge [PV] e Luciana Genro [PSOL] tiveram novo embate logo no segundo round do debate na Rede Record na noite deste domingo [28].

A presidenciável Luciana Genro não gostou da ironia de Eduardo Jorge quando ele perguntou para ela o que faria em em relação à precificação do carbono [eita pergunta técnica!] "se pudesse ser presidente"… e soltou um risinho!

A presidente Dilma Rousseff [PT] intensificou a estratégia de campanha do PT de tentar colar na rival a imagem de uma política não confiável e que muda de posição ao sabor das circunstâncias.

Os ataques a Marina seguem a estratégia adotada pela campanha petista desde que a pessebista colou em Dilma e passou a derrotá-la nas pesquisas que simularam a disputa no segundo turno.

O debate também foi marcado por uma fala polêmica de Levy Fidelix, do PRTB. Questionado por Luciana Genro [PSOL] sobre a dificuldade em aceitar famílias compostas por pessoas do mesmo sexo, o candidato iniciou um discurso homofóbico que reverberou pelas redes sociais. Foto: FolhaPress.

Sobre o Autor:

Estudou em escola pública de Barreiras, Escola Municipal Alferes Cassiano Martins [Macau] e na Escola Estadual winston churchill [Natal], formado em Ciências Econômicas e pós-graduado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, funcionário público.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Fechar