Menu topo

criseO País enfrenta uma das maiores crises de todos os tempos, segundo alguns críticos e estudiosos políticos. Certo? Errado! Acredito que vivemos uma ampliada dramatização da mídia, induzindo a crise no subconsciente do brasileiro. Pois o que observamos é que a moeda está mudando de mãos entre as pessoas físicas. Há poucos dias, vimos uma multidão de foliões divididos entre potiguares em sua maioria e, turistas se esbaldando nos corredores da folia e nos caríssimos camarotes do carnatal. Onde está a crise? Na mídia é claro! Na cabeça do brasileiro assalariado que ainda não notou que o que aconteceu é que seu poder de compra apenas fora transferido para aqueles que são ricos, como era no passado próximo.

Estamos nos aproximando do fim de ano e poderemos ver que as cidades estão ficando enfeitadas, em suas avenidas principais, como se apenas ali, morasse ou houvesse contribuintes do erário, mas isso é outra história pra ser contada depois. Pessoas em shoppings realizando compras – arvore de natal, presente para parentes etc.. Tudo isto em meia a “crise”. Onde há crise?

Acredito na manipulação de uma enorme farsa com o nome de crise, fabricada por grupos [agentes] líderes de oligopólios de mercado donos de informação privilegiada, capazes de gerar desespero nos apostadores menores da jogatina financeira, algo também conhecido como comportamento de manada, isso se dá sob a informação adquirida através da mídia, o único meio de informação que as divulga segundo a seus interesses político-econômicos.

Outra grande mentira sobre crise é em relação à Previdência Social desvendada em tese de doutorado da economista Denise Gentil, que destroça os mitos oficiais que encobrem a realidade da Previdência Social no Brasil. Uma gigantesca farsa contábil transforma em déficit o superávit do sistema previdenciário, que atingiu a cifra de R$ 1,2 bilhões em 2006, segundo a economista.

A “crise” tem o apoio da grande mídia nacional e está se consolidando na mente de cada brasileiro. Tudo devido a um período onde as classes de ricos que ficaram mais ricos pobres menos pobre e a classe média desaparecendo se nivelando a pobres, tudo que eles não quiseram e em nome disso criam o conceito de transformar a mentira em verdade. Estamos em “crise”. Que crise é essa?

Nos municípios [prefeituras], o nepotismo, o grande número de cargos comissionados e contratos, a falta de profissionais capacitados e comprometidos, falta de foco, problemas políticos-pessoais e pessoas erradas em lugares errados, além da má administração e corrupião explicam o resultado da crise. Assim, onde está a crise?

Após o natal e o réveillon, vem aí o carnaval, vamos ver se haverá crise.

Sobre o Autor:

Estudou em escola pública de Barreiras, Escola Municipal Alferes Cassiano Martins [Macau] e na Escola Estadual winston churchill [Natal], formado em Ciências Econômicas e pós-graduado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, funcionário público.

1 Comment

  1. Eraldo Cordeiro de Lima

    Conheço algumas pessoas que perderam o emprego e outras que fecharam suas empresa nos dois últimos anos.
    Conheço pessoas que são comerciárias, as quais são unânimes em afirmar que no mesmo período as vendas caíram assustadoramente.
    Vejo nos shoppings de Natal várias portas de estabelecimentos fechados.
    Esse articulista não sabe nada de economia, ou seu texto é tendencioso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Fechar