Menu topo

Arquivos da categoria Política

O juiz federal Sérgio Moro ouve, nesta quarta-feira [7], seis testemunhas de defesa arroladas pelos advogados do deputado cassado Eduardo Cunha [PMDB-RJ] em processo da Operação Lava Jato.

Os depoimentos começam às 9h30, sendo primeiro a falar o ex-deputado federal João Lúcio Magalhães Bifano. Depois, é a vez do vice-governador de Minas Gerais, Antônio Eustáquio Andrade Ferreira, com audiência marcada para as 9h50.

O deputado federal Leonardo Lemos Barros Quintão [PMDB-MG] é o terceiro a ser ouvido, às 10h15. Em seguida, às 10h30, fala José Saraiva Felipe, também deputado federal pelo PMDB de Minas Gerais.

José Múcio Monteiro, ministro do Tribunal de Contas da União [TCU], presta depoimento às 10h40. A última testemunha a ser ouvida é Henrique Eduardo Lyra Alves, ex-ministro do Turismo nos governos Dilma Rousseff e Michel Temer, às 14h.

G1

nelter“O Ministério Pùblico tenta sujar a imagem de alguns políticos como eu. O Ministério Público não tem moral para investigar ninguém, porque ele próprio recebe dinheiro ilegal. Recebem R$ 4.500,00 reais para verba de alimentação, para aluguel de moradia e não dão os dias de expediente legais. O prédio público que eles compraram, até hoje está engavetado. O Ministério Público precisa primeiro fazer o dever de casa. Eu não tenho medo de Ministério Público, eu quero que eles venham com força e eu abro mão de minha imunidade parlamentar. Não tenho medo de fiscalização alguma, sou um homem tranquilo, não devo a ninguém, não fiz ato de roubalheira. Eu enfrento quem quer que seja do Ministério Público.” afirmou Nélter Queiroz.

A entrevista foi concedida a Joelma de Souza no programa Panorama FM 95 na rádio Rural de Caicó.

camara-desfigura-pacote-contra-a-corrupcaoNa calada da noite, deputados incluíram medidas controversas e retiraram propostas consideradas essenciais do projeto

Em uma votação que varou a madrugada desta quarta-feira, o plenário da Câmara aprovou uma série de mudanças no pacote de medidas contra corrupção proposto pelo Ministério Público Federal. Para o relator do projeto, deputado Onyx Lorenzoni [DEM-RS], o pacote foi completamente desconfigurado.

Apesar de terem desistido de incluir no pacote a anistia à prática do caixa dois, os deputados incluíram medidas controvérsias e retiraram do textos propostas consideradas essenciais do projeto. O projeto seguirá agora para a apreciação do Senado.

“O objetivo inicial do pacote era combater a impunidade, mas isso não vai acontecer porque as principais ferramentas foram afastadas. O combate à corrupção vai ficar fragilizado e, com um agravante, que foi a essa intimidação dos investigadores”, disse o relator.

to_govO governador do Tocantins Marcelo Miranda [PMDB] e o secretário de infraestrutura Sérgio Leão são alvos de uma operação da Polícia Federal contra corrupção e lavagem de dinheiro no estado. O ex-governador Siqueira Campos foi conduzido coercitivamente para prestar depoimento.

Segundo a PF, a operação chamada Reis do Gado, deflagrada nesta segunda-feira [28], também cumpre mandados no DF, GO, PA e SP. O suposto esquema de fraudes em licitações públicas envolvia empresas de familiares e pessoas de confiança do governador e aconteceu entre 2005 e 2012, segundo a PF.

Até o momento, foram identificados que R$ 200 milhões foram efetivamente lavados.

calero_temerOntem, domingo, 27, as atenções do mundo político, todas foram voltadas para a entrevista que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero concedida à jornalista Renata Lo Prete da Rede Globo no programa Fantástico. Um teaser exibido no “Jornal Nacional” do sábado, 26, demonstra o potencial das revelações feitas pelo diplomata ao programa Fantástico.

Depois da demissão do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, se instaurou mais uma crise no Palácio do Planalto e dessa vez com maior repercussão, envolvendo diretamente desta vez o presidente Michel Temer no foco do problema.

Calero afirma que pediu demissão do cargo após ser pressionado para aprovar a construção de um edifício em área tombada de Salvador, onde o agora também !ex-ministro Geddel Vieira seria um dos beneficiários com a construção, já que é dono de um apartamento no prédio em questão.

Nas redes sociais o ex-ministro Calero admitiu ter gravado conversas com o presidente Temer, entre outros integrantes do governo dito em entrevista ontem no Fantástico.

O presidente Temer é acusado de “enquadrar” Calero para favorecer o amigo e Geddel, ex-ministro da Secretaria de Governo e seu principal articulador político. A oposição, diante da gravidade da situação, já fala em pedir o impeachment de Temer.

O governo até tenta esconder, mas a gravidade da crise é tão grande, mas tão grande que foi capaz de gerar momentos como o de ontem, que reuniu em pleno domingo para entrevista coletiva os três presidentes – Temer [Brasil], Calheiros [Senado] e Rodrigo Maia [Câmara], para uma demonstração de tranquilidade, desmanchada por Temer e a sua insegurança nas palavras durante a entrevista.

A verdade é que a pauta da entrevista era para dar uma satisfação a população quanto o projeto anticorrupção, onde Temer afinou os discursos de Calheiros e Maia, afirmando que o projeto deve ser votado pelo plenário da Casa na próxima terça-feira [29], sem a anistia a crimes eleitorais.

Mas, Temer estava nervoso e dizia que quando conversar se precavia sempre para não falar muito, dizer palavras de comprometimento. Foi horrível!

 

E o senador Agripino Maia presidente do DEM e Aliado do Planalto, Zé disse que tem que dar ao presidente Michel Temer [PMDB] a chance de se defender, onde seja, a chance que Dilma não teve.

Agripino diz ainda que os fatos que envolvem Gerdel e Temer não geram “crise” no governo.

“O assunto tem que ser melhor explicado. Em que contexto [Calero] deu essa declaração? Depois tem que ser dada a oportunidade ao presidente para que ele dê sua versão. Mas não tem crise. São fatos que se sucedem, seria melhor que não estivessem acontecendo, mas não chega a significar uma crise”, disse Agripino.

sergiocabral_preso

G1-Rio de Janeiro – A Polícia Federal prendeu, na manhã desta quinta-feira [17], o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral sob a acusação de cobrança de propina em contratos com o poder público. O ex-governador foi alvo de dois mandados de prisão preventiva, um expedido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, e outro pelo juiz Sergio Moro, em Curitiba. Além de Cabral, outras nove pessoas tinham sido presas até as 7h30.

A ação tem o objetivo de investigar o desvio de recursos públicos federais em obras realizadas pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, cujo prejuízo estimado é superior a R$ 220 milhões.
Além de Cabral, até as 8h15 tinham sido presos preventivamente: Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho [ex-secretário de governo do RJ]; Hudson Braga [ex-secretário de obras]; Carlos Emanuel de Carvalho Miranda; Luiz Carlos Bezerra; Wagner Garcia; José Orlando Rabelo; Luiz Paulo Reis. E foram cumpridos mandados de prisões temporárias expedidos contra Paulo Fernando Magalhães Pinto e Alex Sardinha da Veiga.

Uma das operações é a Calicute, considerada um braço da Operação Lava-Jato no Rio, que tem como base a delação premiada do empresário Fernando Cavendish. A esposa de Cabral, Adriana Ancelmo, também é alvo de condução coercitiva por essa operação. A outra ação é da Lava-Jato, que teve como base a delação da Andrade Gutierrez e da Carioca Engenharia.

Ao todo, a Operação Calicute visa cumprir 38 mandados de busca e apreensão, 8 de prisão preventiva, dois de prisão temporária e 14 conduções coercitivas.

A polícia chegou à casa de Cabral, no Leblon, Zona Sul do Rio, por volta das 6h. Cabral e os outros acusados são suspeitos de receber propina em troca da concessão de obras públicas como a reforma do Maracanã e a construção do Arco Metropolitano.

A investigação teve como ponto de partida as delações de Clóvis Primo e Rogério Numa, executivos da Andrade Gutierrez, feitas no âmbito do inquérito do caso Eletronuclear.

O mandado expedido pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, visa cumprir, de forma coordenada, 14 mandados de busca e apreensão, 2 mandados de prisão preventiva e 1 mandado de prisão temporária.

A operação foi batizada de “Calicute”, região da Índia onde o descobridor do Brasil, Pedro Álvares Cabral, teve uma de suas maiores tormentas.

Ex-candidato a prefeito de Goianinha, na Grande Natal, foi encontrado morto com tiro no ouvido dentro de seu carro, na manhã desta quarta-feira [16].

Para a polícia há suspeitas de cunho político na morte de Renato. Informações dão conta que Renato Lima ajuizaria uma ação na Justiça Eleitoral contestando o resultado na eleição local em denúncias de suposta compra de votos e abuso de poder político e econômico por parte da chapa vencedora. Ainda segundo informações Renato viajaria hoje para Brasília, onde faria a denuncia.

O procurador eleitoral Kleber Martins confirmou que foi procurado e que Renato Lima e que teria lhe informado que iria entrar com uma ação por suposta compra de votos.

senado_ppecOs senadores aprovaram em primeiro turno com 58 votos favoráveis e 13 contrários, a Proposta de Emenda à Constituição [PEC] 36/2016, que acaba com as coligações partidárias nas eleições proporcionais (vereadores e deputados) e cria uma cláusula de barreira para a atuação dos partidos políticos. O objetivo é diminuir o número de legendas partidárias no país. A PEC ainda terá de ser votada em segundo turno pelos senadores antes de ser enviada para a Câmara, o que deve ocorrer até o fim do mês.

De acordo com o texto, as coligações partidárias nas eleições para vereador e deputado serão extintas a partir de 2020. Atualmente, os partidos podem fazer coligações, de modo que as votações das legendas coligadas são somadas e consideradas como um grupo único no momento de calcular a distribuição de cadeiras no Legislativo.

Políticos que se elegerem por partidos que não tenham sido capazes de superar a barreira de votos terão asseguradas todas as garantias do mandato e podem mudar para outras legendas sem penalização. Em caso de deputados e vereadores, os que fizerem essa mudança não serão contabilizados em benefício do novo partido no cálculo de distribuição de fundo partidário e de tempo de rádio e televisão.

O deputado federal Rafael Motta recebeu prefeitos eleitos do Rio Grande do Norte para um almoço nesta quarta-feira, 8 em Brasíliarafael_Motta_Prefeitos_Brasilia

Rafael recepcionou os eleitos em 2 de outubro em almoço no Restaurante Inácia, na Capital do apaís, do proprietário potiguar Luís Carlos.

Os prefeitos participavam do seminário ‘Novos Gestores’ em Brasília, promovido pela Confederação Nacional dos Municípios [CNM].

Foram recebidos por Morta os eleitos nos municípios de Areia Branca, Barcelona, Campo Grande, Campo Redondo, Coronel João Pessoa, Extremoz, Felipe Guerra, Goianinha, Ipanguaçu, Jaçanã, Jandaíra, Jundiá, Monte das Gameleiras, Parazinho, Passa e Fica, Ruy Barbosa, São Francisco do Oeste, São Tomé, São Vicente, Serra Negra do Norte, Upanema, Várzea e Venha Ver.

Fechar